terça-feira, janeiro 11, 2011

Novela Ronaldinho

A insuportável novela Ronaldinho parece finalmente ter chegado a um fim, sendo a Gávea a nova casa do "Dentuço Pilantra". Foi curioso acompanhar o comportamento da imprensa e de boa parte da torcida no caso, mudando ao sabor do vento e conforme a conveniência. Contudo, no fim das contas, acho que esse desfecho foi bom para o Grêmio.

E não sou oportunista de falar isso somente agora. Antes mesmo do Natal eu dei a minha opinião para o Igor Natusch, numa matéria publicada no Sul 21. Sempre fui contrário a volta de Ronaldinho.

Primeiro, pelo ponto de vista estritamente futebolístico: Ronaldinho se mostra acomodado e descompromissado no Milan (vi "in loco" ele dando migué no aquecimento de um jogo no San Siro). Não vejo ele mais maduro como jogador, chamando responsabilidade ou tentando adatpar seu estilo de jogo a sua idade (Ex: Romário, Verón, Matthäus).

Depois teria a questão da sua saída em 2001 e todas os demais episódios que sucederam, que não haviam sido superados (e nem vão ser). Ronaldinho nunca fez nenhum gesto que indicasse arrependimento ou mesmo reflexão sobre sua ida ao PSG. E muita gente parece ter momentaneamente esquecido daquilo.

Mesmo não concordando, eu entendia o projeto que a direção defendia com essa contratação. Não deu certo, paciência, é do jogo e a vida segue. Agora, fica muito fácil olhar de trás pra frente e apontar (ou até mesmo inventar) erros que clube cometeu neste processo. Em última análise acho que é possível dizer que o equívoco principal foi o de ter sentado pra negociar com o Assis. Confiar nele daí em diante era inerente ao negócio.

As recentes declarações dos palmeirenses ajudam a mostrar quem é o (principal) vilão da história. A patética coletiva no Copacabana Palace mostrou como era no mínimo confuso o modo de agir de Assis, parecendo não saber efetivamente o que queria para seu irmão. Odone fez muito bem em interromper o negócio ao perceber que não havia em Ronaldinho uma vontade de se redimir com a torcida gremista.

Da mesma forma, foi oportuna a declaração de Vicente Martins, lembrando que o Grêmio é muito maior que Ronaldinho.

Me parece que o Grêmio "se escapou" de uma. Agora é bola pra frente.

8 comentários:

djogo disse...

É isso ai. Gostei onde tu diz que: "Agora, fica muito fácil olhar de trás pra frente e apontar (ou até mesmo inventar) erros que clube cometeu neste processo". O tal do Ceccone é o campeão nisso. E pior, ficam falando que o Flamengo acertou. Acertou no que? Pagou muito mais que o Grêmio por algo muito duvidoso e só levou porque o Corinthians não levou o caso a sério e fez piada com o Assis e seus torpedos. Poupem-me analistas do globoesporte e cia, nenhum cartola está acostumado a fazer negociações do jeito que Assis faz. E tomara q ninguém acostume. Gilmar Rinaldi, Sonda, entre tantos outros são donos de jogadores muito valiosos (e problemáticos) e nem por isso tu vê eles dando entrevista coletiva querendo ser estrela. Não confunda bodoque com funda, já diria meu avô.

Anônimo disse...

Nos livramos dessa, agora é acreditar nesses guerreiros que vestiram nosso manto em 2010 e contar com a direção para alguns reforços pontuais, não mais do que isso. Nosso time é o melhor em anos, se a torcida estiver junto com o time não tem como a gente perder essa copa.

mvfm disse...

Concordo em tudo, André.

Acho até que é possível que a direção tenha cometido erros, mas se os fez foram todos com boas intenções. Não é fácil desistir de um negócio do tamanho desse. Se desse certo o clube faturaria alto, tanto financeira quanto midiaticamente. A torcida era imensamente favorável (embora ainda me custe acreditar nas taxas de quase 90 % de aprovação que algumas pesquisas mostravam, pois não era isso o que eu via nas ruas), e dirigente nenhum quer ficar marcado por desistir de um negócio com o qual a imensa maioria da torcida sonhava. Tenho certeza de que foi muito difícil para o Odone encarar as câmeras na fatídica coletiva.

Mas também acho que ele tomou a decisão acertada, e o estrago não foi tão grande quanto poderia ter sido. Alguns dirão "Odone demorou demais", mas quando ele devia ter desistido, então ? É fácil, agora, apontar o momento ideal, mas certamente não foi fácil percebê-lo no calor dos acontecimentos.

Mas como eu dizia, mesmo que erros tenham sido cometidos, errar não é o mesmo que ter má-fé, e é por isso que considero Assis o grande vilão da história. O Grêmio acreditou nele, mesmo quando outros sinais indicavam problemas. Com certeza houve dúvidas dentro da própria equipe de negociação gremista, mas talvez nunca venhamos a saber os questionamentos e as conclusões a que eles chegaran, mas o fato é que se havia intranquilidade Assis dava mostras de que elas não tinham fundamento, pois brindou a proposta, elaborou contratos e tudo o mais.

Se a direção errou foi ao hesitar em jogar por água abaixo aquele que seria o maior negócio do clube em seus mais de 100 anos de história. Não é fácil tomar uma decisão assim.

Agora só nos resta tocar o barco para frente. Talvez com um craque a menos (porque só o tempo dirá se Ronaldinho, em campo, valeu tanto esforço), mas com certeza com um problema a menos também, pois certamente manter o vestiário unido e feliz frente aos altos salários do craque não seria fácil. Mesmo que o clube não os estivesse pagando, alguém estaria, e só isso já basta para gerar desconforto. Mais ainda se o cara não corresponder em campo ...

Por um lado vai ser bom, vamos poder acompanhar de camarote como o Flamengo lida com a situação (e a história recente mostra que não lida muito bem ...), e ainda poderemos gritar "é esse" toda vez que o sujeito tocar na bola em um eventual enfrentamento no Olímpico ...

Bola prá frente, queremos o tri da América !

mvfm disse...

Concordo em tudo, André.

Acho até que é possível que a direção tenha cometido erros, mas se os fez foram todos com boas intenções. Não é fácil desistir de um negócio do tamanho desse. Se desse certo o clube faturaria alto, tanto financeira quanto midiaticamente. A torcida era imensamente favorável (embora ainda me custe acreditar nas taxas de quase 90 % de aprovação que algumas pesquisas mostravam, pois não era isso o que eu via nas ruas), e dirigente nenhum quer ficar marcado por desistir de um negócio com o qual a imensa maioria da torcida sonhava. Tenho certeza de que foi muito difícil para o Odone encarar as câmeras na fatídica coletiva.

Mas também acho que ele tomou a decisão acertada, e o estrago não foi tão grande quanto poderia ter sido. Alguns dirão "Odone demorou demais", mas quando ele devia ter desistido, então ? É fácil, agora, apontar o momento ideal, mas certamente não foi fácil percebê-lo no calor dos acontecimentos.

Mas como eu dizia, mesmo que erros tenham sido cometidos, errar não é o mesmo que ter má-fé, e é por isso que considero Assis o grande vilão da história. O Grêmio acreditou nele, mesmo quando outros sinais indicavam problemas. Com certeza houve dúvidas dentro da própria equipe de negociação gremista, mas talvez nunca venhamos a saber os questionamentos e as conclusões a que eles chegaran, mas o fato é que se havia intranquilidade Assis dava mostras de que elas não tinham fundamento, pois brindou a proposta, elaborou contratos e tudo o mais.

Se a direção errou foi ao hesitar em jogar por água abaixo aquele que seria o maior negócio do clube em seus mais de 100 anos de história. Não é fácil tomar uma decisão assim.

Agora só nos resta tocar o barco para frente. Talvez com um craque a menos (porque só o tempo dirá se Ronaldinho, em campo, valeu tanto esforço), mas com certeza com um problema a menos também, pois certamente manter o vestiário unido e feliz frente aos altos salários do craque não seria fácil. Mesmo que o clube não os estivesse pagando, alguém estaria, e só isso já basta para gerar desconforto. Mais ainda se o cara não corresponder em campo ...

Por um lado vai ser bom, vamos poder acompanhar de camarote como o Flamengo lida com a situação (e a história recente mostra que não lida muito bem ...), e ainda poderemos gritar "é esse" toda vez que o sujeito tocar na bola em um eventual enfrentamento no Olímpico ...

Bola prá frente, queremos o tri da América !

Alfredo disse...

"As cores do GRÊMIO são o AZUL CELESTE, o branco e o preto e não podem ser modificadas em hipótese alguma."
É o mínimo que se exige, conhecimento do ESTATUTO, artigo 113, senhores da Topper...

heraldo disse...

Quem é mais importante , neste momento para o GREMIO?
antonio vicente martins(o patetinha), ou RENATO PORTALUPPI.
Vá se cata ,patetinha, se o homi falou que não precisamos do traficco, então não precisamos, e sr patetinha se queres aparecer, compre uma passsagem para abu não da bi.

Adilson disse...

Olá!!

Ronaldinho Ex-Gaúcho não quer jogar, quer apenas receber e festar!
Quando nosso grande Presidente Odone falou que o Ronaldinho não teria tratamento especial e que queria vê-lo logo treinando e se esforçando como todos os atletas do clube, espantou o mercenário.

Ronaldinho pensou!! “Vou ter que correr muito, jogar muito com o Grêmio. A responsabilidade da Libertadores vai pesar em mim. Vou ganhar um dinheirão por mês, e não estou bem, já não jogo à três anos, só na reserva.

Decido ir para o Flamengo, lá dou uns migué, jogo um joguinho, sinto dores musculares e ficou uns dois ou três fora, e recebendo minha grana. Vou curtir.”

Obrigado Ronaldinho pela honestidade. Se é para tomar dinheiro de algum clube brasileiro, que não seja o Grêmio do coração.

Obrigado!!

O que não aguento mais é esses colorados, veja esta carta que está rodando pela net:

http://www.clubenews.com.br/colorado-mazembe-esta-debochando-da-torcida-do-gremio-logo-apos-o-flamengo-anunciar-a-contratacao-do-ronaldinho-gaucho/

Vamos dar uma resposta a altura pra eles,
Dá-lhe Grêmio!!

Diogo disse...

Eu também sempre fui contrário à volta de Ronaldinho Gorducho e fiquei aliviado quando fechou com o Flamengo. O Grêmio nem deveria ter entrado nessa novela. Todos sabem da fama do A$$i$; tudo isso poderia ter sido evitado.

A cena de gremistas no Olímpico cantando o nome do "ídolo" é patética.