segunda-feira, julho 22, 2013

30 anos da Libertadores de 1983 - Peñarol 1x1 Grêmio


A final da Libertadores de 1983 começou quente antes mesmo da bola rolar. Os dirigentes de Grêmio e Peñarol tiveram uma longa reunião para definir os detalhes da decisão. Os gaúchos queriam que a disputa se iniciasse no dia 22 de julho e pretendiam que um eventual jogo-desempate fosse marcado para Santiago no Chile. Já os uruguaios queriam mais tempo, querendo que o primeiro jogo fosse marcado para o dia 26 e postulava que o jogo-desempate fosse realizado em Buenos Aires. O comitê executivo da Conmebol tomou uma decisão salomônica e marcou a primeira partida para o dia 22 e designou o estádio do Vélez Sarsfield como local do terceiro jogo (caso fosse necessário).

O estádio Centenário foi o local do primeiro jogo, o foi do agrado de ambas as equipes (O Grêmio pretendia decidir no Olímpico e o Peñarol se vangloriava de te conquistado todas seus troféus continentais longe de casa). E foi uma "fumaceira" como é de se imaginar.

 Logo no começo do jogo Bossio pisou na canela de Renato, o que rendeu alguns pontos na perna do camisa 7 tricolor. Mas o Grêmio não se intimidou e tratou de pressionar nos minutos iniciais, sendo devidamente recompensado com um gol cedo. Aos 11, Tarciso cobrou escanteio e Tita cabeceou para as redes. Aos 16 Caio exigiu boa defesa do goleiro Fernandez, numa conclusão que o avante gremista afirma ter ultrapassado a linha do gol. Mas o Peñarol foi se reencontrando em campo e chegou ao empate com Fernando Morena, aos 35 minutos. Pouco depois, o bandeirinha argentino Arturo Ithurralde se machucou e (sendo substituído pelo uruguaio Juan Cardelino). A lesão do auxiliar serviu para esfriar jogo, mas o Grêmio ainda teve que segurar a pressão durante todo o segundo tempo para garantir o empate.



 
 
 

HUGO BAGNULO: "Respeito muito o Grêmio, mas todos devem saber uma coisa: jogar aqui ou em Porto Alegre para o Penharol não interessa. Nós sempre somos los locales"

HUGO BAGNULO: "Historicamente, meu time rende mais fora de casa. Por isso, garanto que esse primeiro round não quis dizer nada"

FERNANDO MORENA: "Somos campeões do mundo. Quem tem de provar alguma coisa é o Grêmio




FÁBIO KOFF: "O bandeirinha se lesionou, caiu, machucou o braço e o árbitro parou o jogo e mandou chamar o representante do Grêmio para ver se a gente aceitava a troca do bandeirinha por um uruguaio.
- Diz pra ele que eu vou responder lá dentro.
- Não pode entrar.
- Então eu não vou falar nada, vai parar essa merda e ninguém vai jogor.
Ai abriram o portão, eu entrei e veio todo o time do Grêmio comigo. Eu disse:
- Olha aqui, seu safado, não estás vendo que o Renato está caído e estão dando pontapé nele? Bota a merda que tu quiseres na bandeirinha aí. Ele só dizia:
- Tira el loco!
Aí a polícia veio e me tirou. No dia seguinte o jornal botou: "Pela primeira vez o centenário foi invadido". O De León botava a boca nele, o Tita não ficava quieto, também. Eu sei que botou o tal bandeira, ele estava nervoso, mas apitou bem"



RENATO:  "Estava difícil, são muitas faltas, não se pode jogar. O importante é que não revidei, procurei ajudar o time. Também voltei à defesa e até segurei o lateral. Agora o título está no papo.

RENATO: "ele viu que eu estava caído e torceu o pé dele em cima da minha perna" 

RENATO:  "O cara me acertou, pisou na minha perna quando eu estava caído. Mas quem quer ser campeão da Libertadores tem que enfrentar também essas coisas. Libertadores é isso mesmo, não adianta"

TITA: "Foi uma partida de força. Felizmente o Grêmio soube responder à altura, não revidamos a s jogadas duras e temos tudo para garantir a vitória em Porto Alegre com o apoio da torcida. Só não podemos comemorar o título antes de ganhar dentro de campo. Não queremos surpresas numa hora dessas"


DIOGO: "Eu já esperava muito trabalho com o Renato, ouvi muita gente conhecida reconhecendo o futebol do ponteiro e quando o treinador Hugo Bagnulo me colocou na lateral esquerda até pensei que iria sofrer para pará-lo, mas nem foi tão difícil quanto esperava. Ele foi um touro domável. Mesmo assim, provou que é um jogador dificílimo na marcação. Tive melhor sorte porque o aguardava com o pé direito e o Renato não teve chance de buscar a linha de fundo quando tentava o meio, ficava mais fácil pra mim"

FERNANDEZ: "Eles tiveram sorte e fizeram uma boa partida. Na verdade o Grêmio é um time de segunda linha no futebol brasileiro. Está muito distante de equipes com um Flamengo ou um São Paulo. O time de 1982 era muito melhor que esse"

OLIVERA: "O Grêmio nem parece time brasileiro. Seu estilo tosco não nos criou maiores problemas.

SARALEGUI: "O Grêmio não mostrou grande coisa. Mostrou o que todos nós já sabíamos, isto é, a habilidade do Tita no meia e a força de Renato na frente. O problema na sexta-feira foi que o Penharol não teve a objetividade necessária nos momentos de conclusão"






"Havia nos vestiários do Grêmio curiosidade para saber o efeito das bolas altas na área. Até por brincadeira todos queriam saber como os zagueiros tinham suportado tudo e Casemiro explicou dizendo que "é mais fácil perguntarem pelas dores nas costas que estamos sentindo por causa dos empurrões. O pescoço está inteirinho, nos saímos bem." (Zero Hora - 23 de julho de 1983)


"CORPO-A-CORPO
O que acontece de mais notável, significativo ontem à noite no Centenário foi o empate, porque o jogo em si não foi de boa qualidade. O Penharol forçou muito sobre o Grêmio, usando muito corpo-a-corpo mas o time de Espinosa resistiu bem" (Ruy Carlos Ostermann - Zero Hora - 23 de julho de 1983


"Aqui o jogo deve ser melhor que em Montevidéu. Por que a grama é mais macia e fica melhor para o drible. A grama segura a bola.
O gramado irregular do estádio Centenário impedia o melhor controle da bola, o que dificultava dribles e cruzamentos. Houve um cruzamento no segundo tempo, que Renato chutou a bola alto e pela linha de fundo. A culpa, diz ele, é do campo. Mas não foi só o campo que impediu melhores jogadas na sexta-feira. Bossio, por exemplo, pisou em sua canela ("ele viu que eu estava caído e torceu o pé dele em cima da minha perna" conta) logo no início. O resultado foi um corte já suturado com dois pontos duplos. Aqui, desafia Renato, a violência dos uruguaios deve ser menor:
- Quero ver se eles vão ser malandros aqui. Tomara até que sejam, que falam falta perto da área. Aí o Tita bate. Lá, o Olivera que ficava dizendo que ia nos bater e tudo. Para nos amedrontar. Aqui ele não dirá isso.
O lateral-esquerdo Diogo, no entanto, não foi violento, testemunha o ponta:
- É contra este tipo de jogador que é bom jogar. Ele foi rígido na marcação, mas foi leal. Aqui a marcação será mais rígida, mas acredito que ele continuará leal" (Folha da Tarde - 25 de julho de 2013)


"Caminhando com dificuldade, o centroavante Caio, que saiu no intervalo me consequência de uma pancada sofrida no primeiro tempo, lamentou que a arbitragem não tenha visto que o goleiro Fernandez puxou a bola de dentro da goleira aos 17 minutos.

- Eu vi o goleiro puxar a bola. Foi gol mas o árbitro não deu. Agora, vou fazer um tratamento para poder jogar na quinta" (Folha da Tarde 23 de julho de 1983)




"O goleiro Mazaropi, por sua vez, lamentou não ter evitado o gol de Morena:
- Por pouco não peguei a bola. Cheguei a tocar nela. Mas tudo bem, o empate foi um ótimo resultado. Vamos decidir no nosso estádio, junto com a nossa torcida" (Folha da Tarde 23 de julho de 1983)


"O empate foi bom, o Grêmio agora joga por dois resultados em Porto Alegre. Tem que ganhar, mas até mesmo um empate levará a decisão para um terceiro jogo. Ontem, se comportou muito bem definitivamente, passou um enorme sufoco nos primeiros 25 minutos do segundo tempo, mas poderia tentar mais o contra-ataque. Isso faltou, Renato voltou para combater e ficou muito atrás. Havia um buraco pelo seu lado e o Grêmio não explorou. Mas valeu. Aqui a arbitragem não poderá ser tão complacente com a garra de farmácia do Penharol." (Edegar Schimidt - Folha da Tarde 23 de julho de 1983)


"Um início de grande força ofensiva e depois uma defesa segura. Para o Grêmio, uma vitória.

O volante China bloqueou o meio-campo com perfeição e ponta-de-lança Tita foi um leão em campo, marcando o gol do seu time e chegando até a enfrentar corajosamente o provocador Olivera. Com um time assim bem arrumado, sem excesso de confiança e jogando sério, o tricolor não terá realmente o que temer" (Lemyr Martins - Revista Placar - 29 de julho de 1983)





Fontes: Zero Hora, Folha da Tarde, Placar, Correio do Povo e o livro "Até a Pé Nos Iremos" de Ruy Carlos Ostermann

Penãrol 1 x 1 Grêmio

PENAROL: Fernandes; Montelongo, Olivera, Gutiérrez, Diogo, Bossio, Zalazar, Saralegui, Silva (Villareal), Venancio Ramos e Morena
Técnico: Hugo Bagnulo

GREMIO: Mazaropi; Paulo Roberto, Leandro, De León e Casemiro; China, Osvaldo e Tita; Renato, Caio (César) e Tarciso (Tonho).
Técnico: Valdir Espinosa

Data: 22 de julho de 1983, sexta-feira, 21h15min
Local: Estádio Centenário, em Montevideo (Uuruguai)
Árbitro: Teodoro Nitti (Argentina)
Auxiliares: Juan Romero e Arturo Ithurralde (depois Juan Cardelino)
Cartões Amarelos: Bossio e Morena
Gols : Tita aos 12 minutos do 1º tempo e  Fernando Morena aos 35 minutos do 1º tempo

2 comentários:

Daison Sant Anna disse...

E GRÊMIO X FLU JOGARÃO NO DOMINGO - O CONFRONTO NO PASSADO, TEM UMA LIGAÇÃO HISTÓRICA COM A LIBERTADORES 1983. PARA CHEGAR A LIBETADORES 83, O GREMIO GARANTIU VAGA NO BRASILEIRÃO 1982, BATENDO NA FASE ELIMINATORIA, VASCO, FLU E CORINTHIANS. SENDO QUE O FLU FOI DRAMÁTICO...1X1 OLÍ E GRE 2X1 MARACANÃ...SENÃO ELIMINASSE OFLU, NÃO TERIA A LIBERTADORES 83.

Diogo Silveira disse...

Tita foi um dos cariocas que melhor se adaptou ao estilo do Grêmio.

Não conhecia essa história da invasão do Fábio Koff no Centenário.

Não me lembrava do lance que o goleiro tirou a bola dentro do gol.