domingo, novembro 04, 2007

Brasileirão - Grêmio 1 x 2 Figueirense

Neste campeonato brasileiro existem dois Grêmio. Tem o Grêmio mandante, melhor campanha em casa, time que quando não joga bem, trata de se superar na raça e na vontade. O outro é o Grêmio visitante, um time apático, sem vibração. Contra o Figueirense, no olímpico, entrou em campo o Grêmio visitante. No primeiro tempo até deu pra se empolgar, algumas chances criadas e gol de Saja de pênalti. Mas no segundo tempo o que resultado escondeu na primeira etapa apareceu com mais força: O figueirense botou a bola no chão e o Grêmio era incapaz de fazer um desarme sem falta. Uma mudança aparentemente equivocada de Mano (entrada de Labarthe) acabou trazendo o Figueirense ainda mais pra dentro do campo do tricolor. Fernandes chutou, Saja falhou e o jogo estava empatado. Mais mudanças e o Grêmio se jogou pro ataque, mas criou aparentemente nada (Uma cabeçada no travessão é só o que me lembro). Quase no final, Sandro tenta uma jogada absurda que resulta em contra-ataque para o Figueira, Leo leva o drible e não faz a falta (Coisa que Felipe Santana fez o jogo inteiro sem ser expulso), a jogada só termina no gol da virada dos catarinenses. Triste, mas merecido.

Pela tabela ainda temos boas chances, mas o futebol apresentado ultimamente é desanimador.

Colocação Time PG J V E D GP GC SG %
São Paulo 73 34 22 7 5 51 13 38 72%
Santos 59 35 18 5 12 52 40 12 56%
Cruzeiro 57 35 17 6 12 71 56 15 54%
Flamengo 55 35 15 10 10 52 48 4 52%

Palmeiras 55 35 15 10 10 45 42 3 52%

Fluminense 55 35 14 13 8 50 34 16 52%
Grêmio 54 35 16 6 13 40 41 -1 51%



Grêmio 1 x 2 Figueirense

Saja 40´
Fernandes 64´
Otacilio Neto 85´


GRÊMIO: Saja; Bustos (Ramon 33 do 2º), William, Léo e Hidalgo; Eduardo Costa (Luciano Fonseca 27 do 2º), Sandro Goiano, Anderson Pico (Marcelo Labarthe 8 do 2º) e Diego Souza; Marcel e Jonas.
Técnico: Mano Menezes

FIGUEIRENSE: Wilson; Chicão, Felipe Santana e Asprilla; Ruy, Diogo, Cleiton Xavier, Fernandes (Peter) e César Prates (Edson); Otacílio Neto e Carlinhos (Thiago Gentil).
Técnico: Alexandre Gallo

35ª rodada - Campeonato Brasileiro 2007
Data: 03/11/2007, Sábado, 18h10min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS).
Público: 24.461 (21.437 pagantes)
Renda: R$ 303.622,00
Arbitragem: Evandro Rogério Roman (PR), auxiliado por Gilson Bento Coutinho e José Amilton Pontarolo,do PR.
Cartões amarelos: Hidalgo (Grêmio), Felipe Santana (Figueirense).
Gols: Saja (G), aos 40 minutos do primeiro tempo. Fernandes, aos 19 (F), e Otacílio Neto, aos 40 (F) minutos do segundo tempo.

9 comentários:

Anônimo disse...

Saja tem que aprender que bomba pro gol tem que espalmar e não agarrar. Já não é o primeiro frango que ele toma assim.

Museu do Cinema disse...

Tá na hora da FAXINA! Pensar da Copa do Brasil!

San Tell d'Euskadi disse...

Faxina simples, pensando no custo-benefício, mas não se pode fazer "terra arrasada". E todo esforço para manter o Mano.

Eu nunca acreditei na Libertadores - o que não quer dizer que não a queira -, esperemos o jogo contra o São Paulo.

Gremista Vigilante disse...

Bah tchê, sempre vou de social, mas desta vez, como era sábado, no fim da tarde, convidei a mulher para ir comigo. Comprei dois ingressos de cadeira lateral, em cima da geral, para escapar do sol na cara.

Nossa primeira surpresa foi o baixo número de torcedores no estádio. Tudo bem que era feriado, mas 24 mil é público de dia de semana à noite. Achei esquisito.

Começa o jogo com aquela enormidade de gols perdidos, e que nos vem á cabeça é o tradicional ditado, 'quem não faz, leva...'. Gol de Saja e o primeiro tempo termina melhor que que a encomenda.

O segundo tempo lembrou o jogo contra o Alético-MG. Os visitantes voltaram jogando com mais raça, mais organizados e merecendo empatar. Dito e feito.

Quando o Bustos caiu e o Patrício foi chamado pelo Mano, achei que iria haver um suicídio coletivo ali nas cadeiras, tal a inconformidade. Não dá mais, Patrício tem que se mandar...

Eu saí apático do Olímpico, ela saiu furiosa - é interessante como o torcedor eventual 'vive' mais intensamente as emoções do jogo.

Ao final, só me restou trocar a camisa no carro, levar a mulher para jantar na Bazkaria e esquecer o jogo com uma gostosa jarra de sangria gelada.

André Kruse disse...

Eu não usaria o termo "faxina"

Público baixo mesmo, time que tem mais de 30 mil sócios não pode se contentar com 24 mil num jogo decisivo.

Busto acrescentou muito pouco (pra nao dizer nada) em relação ao Patrício.

Márcio C. M. disse...

Concordo com o André, Bustos tem se apresentado um belo "bonde".

Museu do Cinema disse...

Chamem do que quiser, a realidade é que não podemos mais jogar sem um homem criativo no meio do campo e sem um jogador que realmente resolva lá na frente.

Não temos isso no time titular e muito menos no reserva, e se quisermos ser competitivos no próximo ano isso é básico.

Diego Souza já foi pro SP, o Tcheco tá querendo ir embora e não sei se não é a hora mesmo, o Labarthe não mostrou futebol para frequentar o antes melhor setor do time, Tuta, Marcel e Marreta? Alguém?

A partir dai poderemos fazer um time!

Anônimo disse...

Não contem com o Inter. Vai entregar os jogos todos, o que é sua especialidade.

Mano pensando em voltar ao esquema Série B com um atacante na frente só, numa ultima tentativa contra jogos fora de casa.

Anônimo disse...

Não contem com o Inter. Vai entregar os jogos todos, o que é sua especialidade.

Mano pensando em voltar ao esquema Série B com um atacante na frente só, numa ultima tentativa contra jogos fora de casa.