quinta-feira, maio 15, 2008

TBZ



Em alerta sobre a TBZ
Grupo que irá construir Arena está sendo investigado

Antes de assinar o contrato com a TBZ para a construção de sua arena, o Grêmio exigirá que o grupo português exponha ao Conselho Deliberativo os balanços oficiais que comprovem sua real situação financeira. A exigência decorre de informações publicadas pelo jornal 24 Horas, de Lisboa, reproduzidas ontem por Zero Hora, em que a TBZ aparece como alvo de investigação do Ministério Público português por fraudes como emissão de cheques sem fundos e falsificação de produtos esportivos.

A matéria foi publicada na edição de 28 de abril. De acordo com o texto, a TBZ, empresa portuguesa que detém os direitos de imagem de Benfica, Porto, Sporting e Real Madrid, emite cheques sem cobertura e falsifica produtos desses clubes.

Dia 27 de março, em votação no Conselho, o consórcio formado pela TBZ e a construtora brasileira OAS ganhou a concorrência da Odebrecht para construir a arena.

Autor da matéria do 24 Horas, o repórter policial Carlos Tomás afirmou que a TBZ não desfruta de boa imagem em Portugal. Também confirmou que as supostas fraudes da empresa são investigadas pela procuradora Candida Almeida, do Departamento Central de Ação e Investigação Criminal de Portugal.

Zero Hora tentou, sem sucesso, ouvir a versão de representantes da TBZ. Em direito de resposta publicado no 24 Horas, José Simão, administrador da empresa, nega as acusações e diz desconhecer qualquer investigação policial ou judicial.

O vice de planejamento do Grêmio, Eduardo Antonini, garante que o clube não corre riscos. Segundo o dirigente, o Olímpico só será entregue quando a arena estiver concluída.

- Às vezes, muitas denúncias acabam não se confirmando. No entanto, se houver condenação, vamos tomar as atitudes necessárias - assegurou.

O presidente do Conselho Deliberativo, Raul Régis de Freitas Lima, reitera que o Grêmio se cercou de todas as garantias ao expedir as cartas-convites aos grupos que participaram da concorrência. Uma delas foi exigir um seguro bancário que cobriria os gastos para finalizar a obra, caso a empresa vencedora tenha problemas para concluí-la.

- É evidente que não assinaremos contrato com uma empresa que apresente problemas. Eles precisarão apresentar garantias bancárias e que comprovem sua regularidade jurídica, fiscal e financeira - afirmou, sem descartar a hipótese de tratar-se de "matéria sensacionalista".

Dia 19, o presidente da TBZ, João Barroqueira, chegará a Porto Alegre. Durante três dias, ele analisará com a direção do Grêmio detalhes referentes ao contrato, que passará por votação no Conselho e tem prazo até o final de junho para ser assinado.

Uma comissão formada pelos conselheiros Milton Camargo, Irany Santana Jr., Rodrigo Karan, Jorge Buchabqui, Newton Quites e Rogério Tolfo foi nomeada por Raul Régis para acompanhar o projeto da arena. LUÍS HENRIQUE BENFICA (
Zero Hora - 15 de maio de 2008)



Muito antes da Zero Hora noticiar problemas com a TBZ as informações já circulavam pela internet. Eu li pela primeira vez, em fevereiro, no Blog Imortal 1903, indicando um posto no blog Além do Jogo. Mais recentemente o Blog Grêmio Acima de tudo também tocou no assunto.

Agora não só o Grêmio, como também a TBZ devem vir a público e esclarecer essa situação.



2 comentários:

Vicente Fonseca disse...

Cheques CARECAS.

Sou fã do português de Portugal.

Sanchotene, RS disse...

Ainda há tempo de mudar para a Odebrecht...