segunda-feira, julho 07, 2008

Roger foi embora

"Roger não joga mais pelo Grêmio. Vai defender o Catar F.C., de Doha. Receberá US$ 5 milhões (cerca de R$ 8 milhões) por dois anos de contrato" (Zero Hora, 05/07/2008)

Tá certo é uma boa proposta, mas Roger ganhava um salário de fome no Grêmio? O dinheiro justifica tudo? Vejam o que saiu no Blog Impedimento:

Cheguei num estágio da minha vida em que o dinheiro não é o mais importante”, dizia Roger, ex-Grêmio, em entrevista ao Jornal do Almoço de 21 de maio de 2008, ao responder uma questão sobre encerrar sua carreira no Tricolor. Clicando aqui, dá para conferir o vídeo.


Descontada a hipocrisia, ainda temos uma declaração interessante.

Descontado o "teatro", me solidarizo com Odone. Tem muita razão em estar brabo.

Grêmio poderia ter feito um contrato melhor, com multa mais alta? Poderia, mais é difícil com pouco dinheiro.

Verdade seja dita. Roger não foi o "Roger Chinelinho" dos últimos anos. Jogou quase sempre, pouco se machucou, se esforçou, fez boas partidas (22 jogos, 10 gols (7 de Pênalti)).

O principal erro de Roger foi não ter informado a direção antes. Estragou todo um planejamento que a direção fez lá no começo do ano quando apostou num jogador desacreditado.

Estranho também como as coisa foram noticiadas. Apressaram-se em arranjar desculpas para o jogador. Uma justificativa foi que a iniciativa do negócio partiu do Corinthians. O clube negou:
"A direção do Sport Club Corinthians Paulista comunica que não negociou o meia Roger. O atleta, que está emprestado ao Grêmio, procurou o Corinthians e comunicou a intenção em rescindir o contrato. A situação só deverá ser definida no começo da próxima semana."

Ainda tem essa história de uma renovação negada pelo clube, o que o jogador nunca falou. Mas deu declarações interessantes, principalmente em relação ao seu salário, que foi alvo de especulação pela imprensa:

"O Grêmio me ajudou bastante, mas paga só 40%, do meu salário e eu vim de graça. O Corinthians me liberou e ainda paga grande parte do salário. A economia que o Grêmio fez para ter um jogador desse porte foi grande. O que foi estipulado para rescisão unilateral foi de acordo com o que aconteceu no final do ano. Eu era um jogador desacreditado, todo mundo dizia que as portas estavam se fechando. Se acontecesse o contrário, a multa seria da outra parte." (ClicRBS)


Um comentário:

Gabriel disse...

Olha, também não gostei muito da atitude do Roger, mas acredito que a decisão não foi somente dele. Então, a culpa não deve cair toda em cima do Roger. O que me revolta não é a saida do jogador do Grêmio, e sim, quanto o Grêmio recebeu por recuperar um atleta. A direção foi muito ingenua.