domingo, setembro 28, 2008

Brasileirão 2008 - Internacional 4x1 Grêmio


O jogo começou com uma certa pressão do Grêmio, mas não resultou em nenhuma grande opurtunidade. Na primeira "escapada" do Inter, D´alessandro cavou uma falta inexistente. Longe de ser um escandâlo, mas foi o primeiro de uma série de "equívocos" de Evandro Rogério Roman. Na cobrança, a bola é levantada da intermediária, a zaga do Grêmio corta, mas corta mal, e D´alessandro pega o rebote na entrada da área (ninguém do Grêmio por ali, erro de posicionamento) e acerta um belo voleio para abrir o placar.

O Grêmio não sentiou o golpe e foi para cima. Após tentativa de linha de impedimento mal executada pelo Inter, Pereira escorou de cabeça e Orteman cabeceou na trave, na sobre Leo chutou para fora (Um gol que não dava pra perder). O Inter respondeu em um rebote pego por Guiñazu, que chutou cruzado e com perigo.

Aos 18, Pico pega a sobra dentro da área gremista, com um toque sai jogando com Tcheco, que da intermediária defensiva arranca, passa por Edinho na velocidade. Ameaça abir na ponta com Pico, ganha espaço, ajeita-se e chuta, Bolívar se vira e Clemer não alcança. Partida empatada, e a perspectiva da continuidade de um bom jogo.

Mas Evandro Rogério Roman decidiu estragar tudo. Aos 28 deu toque de mão num lance em que Pico dominou a bola no peito. Mesmo que a bola tivesse tocado a sua mão, Pico não fez isso com intenção. Mas vamos ver o que diz a regra:

"REGRA 12 – FALTAS E INCORREÇÕES
Um tiro livre direto também é concedido à equipe adversária se um jogador comete uma das seguintes quatro faltas:

· toca na bola com as mãos deliberadamente (exceto o goleiro dentro de sua própria área penal)"
Roman parolizou o jogo, e conversava com Pico, provavelmente explicando sua absurda marcação. Com o juiz de costas, Guiñazu jogou a bola no chão e D´alessandro chutou ela rolando, servindo Alex que mandou para o gol. Imaginava-se que o juiz apitaria, mandando voltar a jogada, e advertindo os jogadores colorados. Mas não, inexplicavelmente o juiz validou o gol ilegal.

Novamente, vamos à regra:

"REGRA 13 – TIROS LIVRES
Tipos de tiros livres
Os tiros livres são diretos ou indiretos.
Tanto para os tiros livres diretos como para os indiretos, a bola deve estar imóvel quando o tiro é executado e o executor não toca na bola pela segunda vez, até que essa toque em outro jogador."


Ainda:

Posição do tiro livre
Tiro livre fora da área penal:
o tiro livre é executado do lugar onde ocorreu a infração


O Grêmio sentiu golpe (dado por Evandro Rogério Roman). Não se recuperou e não voltou mais para a disputa para partida. Levou dois gols em cruzamentos, em erros defensivos clamorosos.

Aos 45, Edinho derruba Tcheco e pisa em cima do jogador gremista na queda. Tcheco reclama, mas não faz muito mais além disso. Uma confusão se segue, sem nada além de leves empurrões e atuação da turma do deixa disso.

Terminada a confusão, o Juiz expulsa o pior jogador do Inter por agressão, mas também expulsa o capitão do Grêmio por ter sido agredido.

Pouca coisa acontece no segundo tempo, O Inter trata de administrar, e consegue.

Registra-se ainda o Pênalti em Marcel cometido por Clemer, que como não poderia deixar de ser, não foi marcado.

Talvez o Grêmio tenha merecido mesmo a derrota. As falhas defensivas em 3 dos gols são imperdoáveis. Alex e D´alessandro tiveram uma movimentação interessante somadas as suas boas atuações individuais. Mas todas essas análises são prejudicadas pela terrível atuação do juiz. O segundo gol colorado, ilegal, acabou por definir o rumo do jogo, e a absurda expulsão de Tcheco acabou por sepultar qualquer chance de reação gremista.

Perder, ganhar, ter sorte, ter azar,jogar bem e jogar mal, tudo isso faz parte do jogo. O que não dá pra aceitar é arbitragem determinando o resultado. E feitas todas as ressalvas,foi isso que aconteceu, mais uma vez.

É curioso, no mínimo curioso, ver o clássico paulista entre Santos e Portguesa sendo apitado por um árbitro da federação paulista (PAULO CESAR OLIVEIRA/SP). Também é curioso ver o clássico carioca entre Botafogo e Fluminense ser apitado por um árbitro da federação carioca (PERICLES BASSOLS PEGADO CORTEZ/RJ). A lógica, seguindo critérios era termos um árbitro da federação gaúcha apitando o clássico gáucho. Mas isso não aconteceu, por razões que não sabemos. (Ou sabemos e preferimos não acreditar).





Vejam o seguinte texto, retirado do livro de regras da CBF:

Faltas puníveis com advertência:
Um jogador é advertido e recebe o cartão amarelo se comete uma das seguintes sete faltas:
3. infringe persistentemente as Regras do Jogo

Aparantemente tal texto não se aplica a Guiñazu. "trezentas" faltinhas cometidas (pra ser exato, fez 6 das 19 faltas cometidas pelo Inter) e nem sinal de advertência. Estranho o critério para amarelos dados por Roman.


Claro que não dá pra fazer de conta que nada aconteceu, A derrota foi ruim, há de se entender as razões dela e fazer as correções necessárias. Mas também é hora de lamber as feridas, erguer a cabeça, lembrar exemplos, como em 2007, quando o campeão São Paulo perdeu para o rebaixado Corinthians.

Lembrar também que o Grêmio divide a ponta do tabela com o Palmeiras (perdendo o 1ºlugar nos critérios de desempate), e que temos uma boa seqüência nas próximas 4 rodadas, com um forte perspectiva de se retomar a liderança isolada.


Talvez eles sejam tão ruins como os demais, e eu esteja pegando no pé deles pelo coloradismo dos mesmos, mas acho que dá pra merecer coisa melhor do que ter que aguentar Paulo Britto e o Batista falando por 15 minutos sobre uma impossível "quarta substituição" pelo time do Grêmio. Ou ouvir o comentarista de arbitragem da Gáucha falar que o lance entre Tcheco e Edinho "generalizou" uma confusão no gramado.
Fotos: ClicRBS e Grêmio.net

Internacional 4 x 1 Grêmio

D´alessandro 4´
Tcheco 18´
Alex 28´
Índio 39´
Nilmar 45´


INTERNACIONAL: Clemer; Ângelo (Danny Morais, 38'/2ºT), Indio, Bolívar e Gustavo Nery; Edinho, Magrão, Guiñazú e D’Alessandro (Taison 34/2ºT); Alex e Nilmar (Adriano, 44'/2ºT).Técnico: Tite
GRÊMIO: Victor; Leo, Pereira (Jean,11'/1ºT) e Réver; Paulo Sérgio (Souza, intervalo), Rafael Carioca, Orteman, Tcheco e Anderson Pico; Perea (William Magrão, intervalo) e Marcel.Técnico: Celso Roth
27ª Rodada - Campeonato Brasileiro 2008Data: 28/09/2008, domingo, 18h10minEstádio: Beira-Rio, Porto Alegre (RS)Público: 42.590 (37.388 pagantes)Renda: R$ 718.200,00Árbitro: Evandro Rogério Roman (PR)Auxiliares: Roberto Braatz (PR) e Wilton Otaviano dos Santos (RN)Cartões Amarelos: Gustavo Nery (Inter); Orteman, Leo, William Magrão(Grêmio)Cartões Vermelhos: Edinho, 50'/1ºT (Inter); Tcheco, 50'/1ºT (Grêmio)
Gols: D'Alessandro 4'; Tcheco 18'; Alex, 28' ; Índio, 39' e Nilmar, 45' do 1ºtempo

13 comentários:

Gabriel disse...

Só lembrando, o Palmeiras foi ajudado, de novo, pela arbitragem ao anular um gol legal do Nautico.

Agora, eu acho que o juiz prejudicou hoje sim, mas não foi culpa dele os gols ridiculos de bola area no final do jogo. Victor falhou em 2 lances, geralmente não erra.

Ainda somos lideres por pontos e agora a tabela começa a melhorar. Agora é criar uma barreira e não deixar ecoar "comentários" no Olimpico e focar contra o Botafogo.

Vicente Fonseca disse...

Concordo, ainda que o Grêmio estivesse mesmo irreconhecível. Pior foi o Batista falando que o Celso Roth errou em manter os 3 zagueiros por umas TRINTA vezes no segundo tempo. E a pergunta do Brito, aos 40 do segundo: "Batista, o Grêmio fez bem em ter voltado com 3 zagueiros do intervalo?"

Kbecinha disse...

O problema é que eu não vejo reação nos jogadores. Fora o Tcheco o resto me parece resignado. O Pico é o retrato disso, jogador sem sangue. Entraram desligados no jogo, falta perto da área e ficar de conversinha com o juiz é brabo. Os dirigentes tb não reagem, não mobilizam o time e quando vem à público é para falar besteiras de passar por cima, patrola, etc, coisas que só motivam o adversário. O Roth fez treinos fechados e não foi capaz de determinar o homem do rebote, erro inaceitável no primeiro gol. Outra que não deu para engolir, a escalação do Pereira, como que atestam que ele tem condições e ele fica 10 minutos em campo? Há tempos que o time está afundando e ninguém faz nada.

Anônimo disse...

O histórico de Roman em jogos do Inter levanta suspeitas. Lembro de Inter 2x1 Palmeiras no Beira-Rio, em 2005, com gol de pênalti inexistente. Inter 3x1 São Paulo com gol validado pelo Roman, embora o bandeirinha tivesse marcado impedimento. Roman minou o jogo. Amarelou Ortemann e William Magrão por faltas simples. Na dúvida, marcava a favor do Inter. Lembremos que ele é gaúcho, radicado no oeste do PR (onde só tem gaúcho). Na infância, para um dos dois ele torceu. Me parece evidente que para o Grêmio não foi.

Igor Salton disse...

O pai de Roman é colorado, segundo a Band AM de Poa

Vicente Fonseca disse...

André, e o Francisco Garcia dizendo que a abritragem do Roman foi "muito boa"? Que me dizes disto?

Comentarista de arbitragem não deveria existir. Além de só falarem bobagem, deixando os árbitros muita em evidência. Criam-se os queridinhos da imprensa, ala Simon e Gaciba justamente desta forma. Sem falar que torna-se impossível aquele chavão tão defendido de que "juiz tem de passar despercebido pelo jogo".

André Kruse disse...

Embora tenha alguma utilidade, não gosto desta figura do comentarista de arbitragem. No rádio, penso que o "plantao" poderia informar o que mostra a imagem de TV. Na televisão, a figura do ex-arbitro comentando até que se justifica.

Mas o problema é esse cidadão da rádio gaúcha. Os comentários dele são revoltantes, principalmente para quem se esconde por tras de uma suposta imparcialidade.

boa lembrança do anonimo:
http://esportes.terra.com.br/futebol/brasileiro2005/interna/0,,OI772842-EI4847,00.html


http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas/2006/05/14/ult59u102149.jhtm

J. Maffessoni disse...

Prezado,
Concordo com seu texto, apenas para constar, o árbitro é nascido no Rio Grande do Sul, só que hoje reside em Cascavel, no Paraná e apita pela Fed. Paranaense.

Vicente Fonseca disse...

Detalhe que não vi em lugar algum qualquer questionamento sobre a matada de bola do Anderson Pico, que me pareceu no peito, e não na mão, no lance que gerou o gol do Alex. A polêmica do lance é dita em relação à falta cobrada rapidamente pelo Inter.

Márcio C. M. disse...

Só gostaria de te parabenizar pelo excelente trabalho de comparação do que foi apitado com a regra e dizer que o Anderson Pico é muito ruim e não pode jogar pelo Grêmio.

Kbecinha disse...

Realmente, os erros de arbitragem existiram, mas não podemos tapar o sol com a peneira. O time jogou com uma resignação revoltante. O técnico é um joão bobo na beira do gramado. A direção só está preocupada com a sucessão presidencial. Não tem ninguém que grite nesse vestiário. O único jogador com hombridade é o Tcheco. O resto foi uma palhaçada. Pico e Marcel não têm condições de jogar no atual Força e Luz (que não existe). Estamos correndo o risco de perder a vaga na Libertadores e ninguém toma atitude.

Nelson Luiz Ramão disse...

André! Agora é juntar os cacos e tentar montar um time para enfrentar o Botafogo. Quanto ao Grenal, jogamos mal e perdemos mais pela nossa própria incompetência. Se eu fosse presidente do Grêmio, demitia o Celso Roth e botava um interino até o final do campeonato, o que seria garantia de melhores resultados. Depois que o Celso teve aquele "encontro" com a Polícia Federal, parece que perdeu o comando e o respeito dos jogadores... Além do mais, para que contrataram o Richard Morales se quem continua jogando é a "nuvem" do Marcel? O pior é que quem tem que agüentar a "flauta" dos enjoados dos colorados sou eu, é você, é a torcida gremista.

Anônimo disse...

Coisa triste um bando de Gremistas lamentando uma surra que levaram do rival. Não tem como comparar um time ao outro. O Inter é muito superior, basta analisar um elenco e outro, bem como os títulos recentes. Se fosse 2x1 ou 1x0, mas foi 4x1. Só não foi mais porque o Inter administrou o jogo e não quis repetir o que fez com o Juventude.