quarta-feira, setembro 10, 2008

Data das eleições

Demorou:

"O Conselho Deliberativo do Grêmio definiu as datas das próximas eleições presidenciais do clube. Entre 26 e 30 de setembro, devem ser apresentadas as chapas concorrentes.


O primeiro turno das eleições acontece no dia 13 de outubro, onde apenas os membros do Conselho Deliberativo do clube votam. Já no dia 18 de outubro, acontece o segundo turno, com a participação dos associados, que poderão escolher entre as chapas que alcançarem um mínimo de 30% dos votos no primeiro turno." (Grêmio.net)


Até entendo a existência de uma "cláusula de barreira" na eleição presidencial (na do conselho não), mas ainda acho o percentual de 30 muito elevado.


Existe uma grande chance de somente um candidato passar e o sócio, novamente, ser alijado da escolha do presidente.


Além do mais, quando da reforma do estatuto, que se estabeleceu os 30%, vendeu-se a idéia que o que ocorreria no conselho deliberativo seria uma espécie de "homologação" das candidaturas. Podendo o conselheiro dar seu aval para mais de um candidato.


Não é o que vem acontecendo. Até ja se chama-se essa etapa de "primeiro turno". Podendo a eleição se esgotar aí.


Num clube com mais de 30 mil sócios, não me parece razoável que a eleição seja decidida por apenas 300.


9 comentários:

Vicente Fonseca disse...

Eu concordo contigo, e até já escrevi sobre isso em 2006, quando o Odone foi re-eleito. Uma outra alternativa para a eleição não acabar na etapa do Conselho seria obrigar que, no caso de mais de um candidato, pelo menos dois fossem indicados aos sócios. Mas ainda acho que a diminuição para 20% ou 25% seja o ideal. Menos que isso seria mesmo demasiado.

André Kruse disse...

pois é, em 2006 o Odone não foi re-eleito pelos sócios. (muito embora naquela ocasião uma eleição poderia ser mera formalidade).

Gustavo disse...

O Grêmio Novo tem batido com força nesta tecla, embora, aparentemente falando para as paredes.

EDI disse...

não o Grêmio Novo está sendo portunista pois aceitou a candatura por aclamação.

San Tell d'Euskadi disse...

Estão todos olhando a conseqüência e não vêem o óbvio. Não é essa a cláusula de barreira problemática, mas a da eleição PARA o Conselho, que também é de 30%, quando deveria ser de 10% ou 15%. Fosse assim, haveria uma maior "oxigenação" do Conselho, com maior diversidade e mais chapas se candidatando a presidência. Aí, termos mais de uma chapa com os 30% de votos no Conselho seria muito mais fácil.

Um abraço.

André Kruse disse...

Sancho, estou enfrentando um problema de cada vez.

Uma coisa é a eleição para presidente. Mesmo num cenário ideal, com um conselho "oxigenado" considero a clausula de barreira em 30% muito elevada.

(imaginemos um cenário hipótetico, como três candidatos. Candidato A com 44 % do conselho.Candidato B com 28% e Candidato C com os mesmos 28% - Candidato A estaria eleito sem passar pelos sócios)

Tem ainda essa questão "conceitual" de o conselho ser eleição em 1º turno, e não avalizador (e avaliador) de candidaturas como deveria ser.

Outra coisa é a clausula de barreira para eleição para o conselho, que eu entendo que não deveria existir.

San Tell d'Euskadi disse...

Eu não vejo problema nenhum de a eleição ser em dois turnos, e que os conselheiros, como colégio qualificado eleito pelo associado, filtre os candidatos para a eleição geral.

Não te esqueças ainda, Kruse, que no nosso estatuto, do jeito que está, é possível TRÊS candidatos irem ao segundo turno. Com a queda da cláusula, fatalmente se limitará a participação para apenas dois.

Não estou dizendo "um passo de cada vez", só há um passo que deve ser dado: reduzir o corte da eleição para o Conselho. O resto pode - acho que deve - continuar como está.

Um abraço.

Anônimo disse...

SÓCIO GREMISTA: por uma maior valorização dos sócios, apóie a redução do percentual de 30% para 20% de votos necessários nas eleições presidenciais e do Conselho para que uma chapa passe do 1º turno - onde as as eleições ocorrem apenas no Conselho - para o 2º turno, onde os SÓCIOS do clube decidem quem será eleito Presidente do Imortal. Por um Grêmio PARA e PELOS SÓCIOS, assine em - http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/1178

Anônimo disse...

SÓCIO GREMISTA: por uma maior valorização dos sócios, apóie a redução do percentual de 30% para 20% de votos necessários nas eleições presidenciais e do Conselho para que uma chapa passe do 1º turno - onde as as eleições ocorrem apenas no Conselho - para o 2º turno, onde os SÓCIOS do clube decidem quem será eleito Presidente do Imortal. Por um Grêmio PARA e PELOS SÓCIOS, assine em - http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/1178