quarta-feira, setembro 17, 2008

Contratos Puma e Banrisul

Faz muito tempo que eu esperava ler algo nesse sentido. Se vai mudar ou não, aí já é outra história:



"Grêmio quer bater rivais em patrocínio

Patrocinado pelo Banrisul desde 2001, o Grêmio inveja os valores de patrocínio de seus rivais, e pode criar um problema para o banco no próximo ano. De olho em um substancial aumento, o clube do Olímpico pretende inflacionar o mercado no Rio Grande do Sul com um novo contrato de um valor até quatro vezes maior que o do último compromisso.

A idéia do Grêmio é acompanhar o crescimento do mercado esportivo. Enquanto clubes do eixo Rio-São Paulo chegam a ganhar R$ 16,5 milhões por temporada (valor do contrato entre Corinthians e Medial Saúde), os dois rivais de Porto Alegre ganham pouco mais de R$ 3 milhões cada, mesmo com resultados tão ou até mais expressivos.

"Há alguns anos Grêmio e Inter deviam para o Banrisul, que fez um contrato que abatia um valor da dívida. Naquela situação de dificuldade o acerto foi bom, mas hoje eles têm publicidade em todo o estádio, conta-corrente de todos funcionários. No fim eles até saem no lucro com a gente", disse César Pacheco, vice-presidente de marketing do Grêmio.

A insatisfação não é só tricolor. De acordo com o dirigente, Vitorio Píffero, presidente do Inter, já foi pleitear um aumento com o Banrisul, mas recebeu mais que um não como resposta. Além de negar o aumento do apoio, a entidade financeira ainda teria tripudiado com o fato de ser uma boa administradora, patrocinando os dois principais clubes do estado com apenas R$ 7 milhões anuais.

A preocupação com valores, inclusive, não fica restrita à estampa principal da camisa.. Apesar de se dizer muito satisfeito com os serviços prestados pela Puma, o Grêmio ouve com atenção propostas como a da Olympikus. O baixo valor da multa rescisória pode atrair rivais da marca alemã.

Na próxima quarta-feira, membros do clube gaúcho se reunirão com dirigentes da Puma para discutir, oficialmente, uma aproximação entre setores estratégicos das duas partes. Há a possibilidade, no entanto, de um aumento em valores do contrato, que vai até 2010, ser negociado." (Máquina do Esporte, 26/08/2008)



Em ‘descrédito’, rivais gaúchos miram remodelar acordo com patrocinador

Parceiro de Grêmio e Inter, Banrisul estaria até ‘lucrando’ com o clube, na visão de cartola gremista

Atual líder do Campeonato Brasileiro e vice-campeão da edição de 2007 da Copa Libertadores da América, o Grêmio quer ser mais reconhecido em termos de valores de sua marca. O clube gaúcho busca um aumento substancial no seu contrato publicitário com o Banrisul, parceiro desde 2001.

O mercado local ficaria inflacionado com a proposta tricolor de um novo contrato por um valor até quatro vezes maior que o do último compromisso. A idéia do Grêmio é acompanhar o crescimento do mercado esportivo nacional e se equiparar às grandes forças do eixo Rio-São Paulo.

No Sudeste, o Corinthians, por exemplo, chega a faturar R$ 16,5 milhões por temporada com a Medial Saúde. Além do Grêmio, o rival Internacional recebe pouco mais de R$ 3 milhões.
“Há alguns anos, Grêmio e Inter deviam para o Banrisul, que fez um contrato que abatia um valor da dívida. Naquela situação de dificuldade o acerto foi bom, mas hoje eles têm publicidade em todo o estádio, conta-corrente de todos funcionários. No fim eles até saem no lucro com a gente”, avalia César Pacheco, vice-presidente de marketing do Grêmio.

Quem também demonstra insatisfação e até chegou a reivindicar um acréscimo de valor no contrato com o banco regional é Vitorio Píffero, presidente do Inter. Entretanto, além de uma resposta negativa, teria recebido o argumento de que a entidade financeira é uma boa administradora, patrocinando as duas principais agremiações do Estado com apenas R$ 7 milhões anuais. (
Cidade do Futebol)

8 comentários:

Gabriel disse...

Ótimo post. Ouvi dizer que a Nike e Adidas também estão interessadas em patrocinar o Grêmio.

Gustavo disse...

Interessantíssimo teres trazido este assunto à discussão, André. Creio que, neste momento, além do baixo valor do patrocínio, ter o Banrisul na camiseta é até "propaganda negativa", já que o banco está envolvido até o pescoço em questões sinistras.

Penso também que esse negócio de ter que patrocinar os dois times pra não "queimar o filme" com a outra torcida é uma baita babaquice, fruto da mentalidade provinciana de boa parte de ambas as torcidas. Duvido que um corintiano vai deixar de comprar uma TV da LG só porque esta patrocina o São Paulo, ou algo do gênero.

Está na hora de colher os frutos da boa administração e dos resultados satisfatórios dentro de campo. Isso pode ajudar a blindar o Grêmio e fazer com que não decaiamos nunca mais.

André Kruse disse...

Gustavo, dá uma olhada nisso:

http://momentodofutebol.blogspot.com/2008/09/patrocnio-de-um-clube-de-futebol-rival.html

"Pesquisa da TNS Sport aponta que mais de 95% dos fãs de futebol não deixariam de comprar algum produto ou serviço por ele ser patrocinador de um clube rival.

André Kruse disse...

Por outro lado, me lembro de dois causos, que não sei se são verdadeiros.

1) Tramontina teria sido procurada pelo inter para patrocinio. A condição imposta pelo seu Clovis foi a de patrocinar o Grêmio também.

2) Na época do Palmeiras/Parmalat, tonhão é hostilizado pela torcida da Portuguesa no canindé. Na saída do jogo, troca de camisa com um adversário, joga a camisa da lusa no chão, cospe e pisa em cima. Como consequência disto, os portugueses donos de padarias e mercadinhos em são paulo suspendem a compra de produtos da Parmalat.

José Ricardo Von disse...

Quinta-feira, 18 de Setembro de 2008
José Aldo, QUE FEIO!!!
Em comentário na Rádio Gaúcha, ontem à noite, o múltiplo reserva José Aldo Pinheiro criticou os atuais candidatos à presidência do Grêmio dizendo que "quando Paulo Odone assumiu ninguém queria pegar. Que todos fugiram da raia".
José Aldo, se você não tem informações próprias, deveria ler mais a coluna de Hiltor Mombach, do Correio do Povo. Há poucos dias, Hiltor publicou matéria sobre aquela eleição.
Havia, na ocasião, três, sim, TRÊS CANDIDATOS, o próprio Paulo Odone, Adalberto Preis e Antônio Vicente Martins.
Três candidatos à presidência somando, no total das chapas, VINTE E UM (21) candidatos.
Adalberto venceu a eleição no Conselho Deliberativo fazendo mais do que a soma dos outros dois. Depois, Paulo Odone ganhou a eleição de Adalberto Preis no segundo turno no qual votaram os sócios.

ENTÃO, COMO É QUE NINGUÉM QUERIA PEGAR? QUEM FUGIU DA RAIA?

José Aldo não é conselheiro. Nem consta ser sócio do Grêmio. Faz parte do grupo dos "isentos". Na verdade, consta ser simpatizante dos moranguinhos.

Mais: entre outros, integravam a chapa de Adalberto Preis o atual Diretor de Futebol ANDRÉ KRIGER e, também, o atual candidato à presidência DUDA KROEFF.

Então, já, na ocasião, André Kriger estava disposto a assumir (assumiu agora em meio a tempestades e furacões e terremotos).

E também DUDA KROEFF concorreu para assumir.

Um pouquinho só de responsabilidade profissional faria bem José Aldo!

CORNETÃO PRA VOCÊ!
CORNETÃO, TAMBÉM, PARA TODOS OS MAL-INFORMADOS (?) QUE REPETEM, À EXAUSTÃO, A DESINFORMAÇÃO DE JOSÉ ALDO!
Postado por CORNETA PRÓ GRÊMIO às 12:18 2 comentários

Anônimo disse...

Também, o que esperar de um cara cujo nome verdadeiro é José ODORALDO Pinheiro. Falo sério.

Gustavo disse...

André, legal a reportagem que tu colocou aí em cima. Bom, isso comprova com números o que eu já desconfiava.

Esse lance da Tramontina eu posso falar com propriedade. O Sr. Clóvis é colorado e, se dependesse só dele, patrocinaria apenas o Inter. Mas o marketing da empresa decidiu não "criar caso" e patrocinar os dois clubes.

Este ano o Inter pediu um aumento substancial pra renovar o contrato com a empresa. O Grêmio já tinha aceito a renovação, num valor semelhante ao de 2007. Daí eles tiveram que forçar o Inter a baixar o valor, sob o risco de não patrocinar nenhum dos dois times.

Márcio C. M. disse...

José Aldo Pinheiro é o radialista mais chato de todos. Insuportável.